A POESIA NÂO TEM HORA




 
Quente sangra a vela,
Enquanto versos são escritos,
Sentimentos e gritos internos,
À luz da chama, inspirações e suspiros.
O sono foge na madrugada,
Espantado vai com o agito,
Pensamentos não param,
No peito um coração aflito.
A poesia entusiasmada...
Não escolhe hora para despertar,
Serelepe aproxima altas horas,
E leva a alma divagar.